Mostrando postagens com marcador jornalismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jornalismo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Quatro Marias e o Aborto no Brasil


Apresento a vocês um belo trabalho sobre a triste realidade do aborto aqui no Brasil, é o Quatro Marias. Duas estudantes, Helô e Joyce, e sua professora, Bianca, produziram uma reportagem sensível e bem informativa em quadrinhos sobre quatro mulheres que passaram por situações em que tiveram que abortar.
As histórias reais dessas mulheres se unem a textos informativos e entrevistas com pessoas de diversas áreas, contribuindo para dar um panorama sobre esse momento que fez, faz ou pode vir a fazer parte da vida de algumas mulheres, e ainda é um grande tabu na nossa sociedade. O aborto, sua legalidade, seus procedimentos, suas consequências, enfim tudo que envolve esse assunto deve ser cada vez mais discutido e esclarecido, e essas moças da Cásper Líbero o fazem de forma muito assertiva.

Além das histórias, o site ainda contém dados sobre o assunto, perguntas frequentes e como foi todo o processo de produção da reportagem, desde as entrevistas até a elaboração dos desenhos. 

Vale muito a pena conferir!!!  

terça-feira, 24 de abril de 2012

Quadrinhos e o show de Bob Dylan

O show do Bob Dylan ocorreu no sábado, dia 21 de abril, em São Paulo. O desenhista Rafael Grampá traduziu de forma artística as emoções da apresentação no site da Folha de São Paulo. Excelente sacada e um belo trabalho. Mais arte nos nossos jornais. 

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Vida de Picasso em série de Histórias em Quadrinhos

Louco para que série venha o mais breve possível para o Brasil. Acho que vai demorar!
Via site da UOL:
O romance gráfico de Picasso, que será publicado em espanhol em 2013, não é a única biografia em história em quadrinhos. Isso porque, a temporada literária na França também recebeu obras sobre "Virgínia Woolf", de Michèle Gazier e Bernard Ciccolini, e "Freud", de Corinne Maier e Anne Simon.

Lançada pela editora Dargaud, a série de quadrinhos, que recria as vivências do pintor entre 1900 e 1912, estreia com "Pablo 1. Max Jacob" e recupera as lembranças de Fernande Oliver, uma modelo que posava para alguns dos artistas instalados em Paris no início do século XX e que se transformou no primeiro grande amor de Pablo Picasso (1881-1973).

"Trata-se também do resgate de uma época de esplendor e do célebre bairro de Montmartre, a colina onde fica a basílica do Sagrado Coração e onde ficavam muitos dos artistas que desfilaram por Paris há um século", explicou à Agência Efe Julie Birmant, que vive a poucos metros de onde Pablo Picasso tinha seu estúdio.

"Todas as manhãs passo pelo local onde ficava sua casa para levar a minha filha ao colégio. Também passo pelo café onde se reuniam os anarquistas espanhóis", comentou a roteirista e responsável pelo projeto, que escolheu Oubrerie para ilustrar a série porque seus desenhos tinham "uma espécie de nudez" que encaixava com a história que queria publicar.

As tirinhas da série compõem o perfil de um Picasso enérgico e ambicioso, fascinado pela Paris das exposições universais e pelas mulheres da "Belle Époque".

"Era complicado evocar a Picasso em história em quadrinhos porque é proibido retomar suas obras. Finalmente, essa limitação me permitiu encontrar uma via paralela e trabalhar cada tirinha como um pequeno quadro", resume Oubrerie, o desenhista da série.

Em 87 páginas de tirinhas cheias de ímpeto e com uma tiragem de 37 mil exemplares, o volume inaugural da série relata a chegada do gênio espanhol a Paris. Na época, Picasso tinha apenas 20 anos e era acompanhado de seu íntimo amigo e também pintor Carlos Casagemas, com quem compartilharia um estúdio no número 49 da rua Gabrielle.

Um ano depois, Casagemas se suicidaria com um tiro na cabeça, após ter tentado assassinar Germain, uma dançarina do cabaré "Le Moulin Rouge" com quem mantinha uma relação.

Aquele drama marcou profundamente ao gênio cubista, que derivou então sua escala cromática e inaugurou o "período azul", que se estenderia até 1904.

A história em quadrinhos, que não se priva de ilustrar os incontáveis romances de Picasso, detalha como a morte de Casagemas desordenou o artista, que pintava obsessivamente enquanto não estava entre amantes e garrafas de álcool.

"O que chama atenção em Picasso é sua capacidade de mudar de registro. Nesta série, eu fiz o mesmo, utilizando tanto o lápis como o carvãozinho, a tinta e a aquarela. Representei de maneira um pouco iconoclasta, mas ao mesmo tempo abstrato, sempre fazendo com que de forma alguma fosse reconhecível", acrescentou Oubrerie.

Poucos meses depois a morte do amigo, Picasso apresentava sua primeira exposição e chamava a atenção do público na galeria que frequentava o prestigiado Ambroise Vollard, retrata a história em quadrinhos.

Aquela mostra de 25 de junho de 1901, a qual o pintor terminou uma centena de quadros em um mês, também marca o início de sua relação com o crítico de arte Max Jacob.

Jacob, que dá nome ao primeiro título do romance gráfico, refugiou Picasso quando o artista já estava com fama de "poeta maldito". Nesta ocasião, em 1904, o amor de Fernanda entra na vida do pintor espanhol, que já se encontrava instalado em seu célebre estúdio Bateau-Lavoir, em Montmartre.

Esse também é o momento que conclui "Pablo 1. Max Jacob", que terá continuidade nos três livros dedicados a outros três grandes amigos do artista, o literato Guillaume Apollinaire, a escritora Gertrude Stein e o pintor Henri Matisse.

O romance gráfico de Picasso, que será publicado em espanhol em 2013, não é a única biografia em história em quadrinhos. Isso porque, a temporada literária na França também recebeu obras sobre "Virgínia Woolf", de Michèle Gazier e Bernard Ciccolini, e "Freud", de Corinne Maier e Anne Simon.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Web, Jornalismo e Quadrinhos


Nomes como o do jornalista Joe Sacco, autor de entre outros Uma História de Sarajevo e Gorazde, e Art Spiegelman autor de Maus, são algumas referências no que se diz a respeito de “jornalismo em quadrinhos”. Apesar de serem obras mais subjetivas se aproximam muito de um livro-reportagem tradicional. Mas quando se fala em web, jornalismo e quadrinhos, onde se encontra o trio?


Não, não se encontra. Pela complexidade que um trabalho desse porte envolve, uma notícia ou reportagem em forma de história em quadrinhos, talvez seja impossível publicar trabalhos com a qualidade gráfica e textual dos exemplos acima. O mundo virtual exige rapidez. Esse fator faz com que conteúdos assim para web não sejam desenvolvidos ou ao menos imaginados. No entanto experiências gráficas simples devem ser tentadas. O site NonaArte oferece quadrinhos como Justiça do Índio e Como mudar o mundo que são praticamente artigos desenhados. Ainda há no site uma sessão de quadrinhos educacionais de teor histórico. Exemplo de que é possível publicar formas típicas do jornal impresso em quadrinhos e ainda na Web.


Enquanto o jornalismo on-line fazer mais do mesmo, não atrairá novos públicos, como os mais jovens, em um lugar como a internet onde parte considerável desse público se encontra. Dessa maneira a profissão se limitará a apenas ao mesmo público, aos mesmos formatos, como as notícias instantâneas e os blogs. Não que esses devam deixar de existir. Porém atrair a atenção com novas propostas de quem realmente precisa ser informado e educado é fundamental. O importante é tentar, por isso mãos à obra.


Originalmente postado em http://webjorsuperacao.blogspot.com/